20/11/2011

Nosso Império

Image and video hosting by TinyPic


Meus dias pareciam não ter mais fim, e tudo se resumia a sem saída e sem direção. Perdida no meio dos destroços da tempestade de séculos atrás, sem ninguém a minha procura, sem nenhuma busca de salvação pelos demais, sem nenhum salva-vidas e preocupação alheia. Os sonhos já não me cabiam mais, as esperanças, quase perdidas, flutuando pela imensidão do oceano. E ali, me encontrava, quase sem solução. Foi numa dessas que percebi que nutria um sentimento penetrante, mas que se camuflava na confusão do dia a dia, era uma dessas coisas que eu nem me importava mais: o amor. A (des)evolução que tive, imersa nos resquícios do desamor, da descrença, e todos esses ''des'' da vida. Tempo ruim, tempestade, sabe como é. Então comecei a generalizar conceitos: nenhum homem presta, todos os homens com sono são muito chatos, não existe mais homem cavalheiro, nem que anda de mão dada, nem que seja sincero e fiel. Não existe. A verdade, é que comecei esse texto a mais de quinze dias e que permaneceu incompleto, por muito tempo. Iria plantar no coração de cada um que o lesse de que o amor ainda sim poderia aparecer, e inclusive, poderia estar do nosso lado sem nunca termos notado. A questão, é que hoje, minha conclusão é outra. Depois de uma pequena experiência de ressurgimento do sentimento, de revigoração de toda a confusão que cabia dentro de mim, eu realmente, tive certeza: Homem nenhum presta. No fundo, homem que quer vai atrás, faz tudo por você, nunca te deixa cair. Promessas existem. Eu sempre procurei manter meus pés no chão durante esses 15 dias levianos e amenos que tive, porque no fundo, por mais esperançoso que parecesse ser o nosso princípio de relacionamento, eu por meio das vivacidades que carrego comigo sabia que poderia ser tudo calor do momento. E olha que minhas vivacidades me ensinaram muito. Hoje, sinto informar, mas a quantidade de homem que vale a pena no mundo é realmente muito escassa, e daria um livro pra se fazer um manual de como tratar bem uma mulher. Na verdade, minhas queixas atuais não se voltam ao tratamento, mas ao sentimento, instinto masculino que é o de fazer besteira, de falar o que não sente, de iludir, de ser covarde. Homem tem que assumir as responsabilidades, saber olhar nos olhos de quem gosta, saber assumir, estampar e não se esconder por dentre as noites e cobertas ou qualquer coisa que lhe venha a proteger. Homem que é homem toma atitudes ao invés de palavras, sabe a hora certa de agir, e não fica se auto-proclamando o diferente, o principe que toda menina sonhou. Porque o que realmente é, nem sabe que é. O que realmente é principe, mostra isso, é bonito por dentro, encantador e nem sabe que é tão especial assim. Escassos, mas existe, existe. E me torno mais mulher assim, aprendendo com cada erro de vocês, ao menos isso vocês me acrescentam. Mais forte, com mais garra (pros estudos principalmente, porque tenho a certeza que terei que ser uma mulher independente e nunca ficar submissa ao marido), exigências do mundo contemporâneo, civilização. Enquanto os homens pecam em errar cada vez mais, usufruindo da manha dos indefesos que é se fazer de coitadinho e sair pela tangente, nós mulheres, vamos nos fortalecendo e ganhando voz, de alta frequência, porém, de alcances cada vez maiores, na medida de um novo império.

Um comentário:

  1. Anônimo20.11.11

    ameeeeeeeei, esses homens de hoje.. poucos se salvam haha, mas graças a Deus que alguns ainda se salvam.. enfim, ficou muito bom, bjs /Larissa

    ResponderExcluir

O que achou do post?

GAROTA DA BOSSA
ALL RIGHTS RESERVED 2014 ©
feito por Madu Negrini